23.12.11

a calma do mundo


uma praia
eu, você, o mar, todos nós
sol até se pôr
chuvinha fina no cair da noite
café, biscoito doce
rede para embalar os sonhos
sonhos para se tornarem reais
guitarras, pianos, enganos deixados de lado
cachorro dormindo, bem-te-vi no telhado
planta despertando com a água
água para diluir as dores
calma para as batalhas do mundo
lua, estrela, eternidade em um segundo
energia para as manhãs
suco de frutas, capim limão e pães
castanha para ter crocância
bicicleta para a consciência e a errância
amor em cada canto da casa
no jardim e no banheiro, flores
prancha na varanda desejando onda
menino na onda realizando a prancha
música para um fim de tarde
cigarras, incenso, vela de canela
cervejinha para brindar com amigos
yôga para brindar o corpo
sexo com suor e de verdade
chinelo pra descansar a ansiedade
hortelã, alecrim, manjericão
banana com mel, mel com limão
livros nas escadas abrindo caminhos
uma montanha vista da janela
bolo, vinho, azeite e cominho
tudo na despensa, revelações na adega
pic nic na grama com pai e mãe
irmãos de sangue e coração
vô e vó pra fazer cafuné
criança querendo saber o que é
lótus, fotos, vídeos
um tambor pra começar a dança
luz do próprio universo de dia
penumbra ao lado da cama
manta vermelha, vento lá fora
almofada, sono profundo
amor em cada canto do mundo
corações livres
filhos livres
amores livres
livres, os desejos
energias renovadas, recriadas, vividas
estradas
um barco
o céu
o infinito

e tudo é possível

---

BEM VINDO 2012!

6.12.11

o que houve?

saudade estranha do que não foi
da poesia que ficou suspensa
angústia das escolhas mal feitas
que permaneceram escolhas
e não foram alegrias

transbordamentos
o que se faz com eles?
o que se faz com a poesia
diante do concreto?