27.12.06

móbile


sabe o que é isso?

sim, um móbile do Calder...

e uma charada...

a resposta vem em 2007!

eu, poeta-palhaça













Eu, poeta palhaça
Conjunções metafóricas em planos diversos de cores
na lingüística dos contatos e sensações.
Camuflando o que não é camuflável.
Desachando o achável.
Embolando o imbolável.
Desconstruindo o mundo que explode no meu corpo.
Gargalhando a lágrima
e lacrimejando exageradamente, em dores,
a grande alegria da alma-palhaça,
palhaça-poeta,
poeta do universo que grita e chora e sofre e ri... muito.

A arte torna visível o invisível!

da série presentes de natal




















Cortem a cabeça dela!

ganhei de natal o novo CD do Jorge Drexler, um uruguaio porreta... extraio uma frase que me chamou atenção na primeira música, que dá nome ao CD







"no es la luz lo que importa en verdad
son los 12 segundos de oscuridad"

isso inspirou uma música...

Concreto armado no viaduto urbano
que liga meu coração ao pé.
Mora uma cidade em mim!
Mesmo a rima pode não ser poesia.
Mesmo o amor, a dor, o infinito.
Só é poesia quando os sentidos
quebram um vidro na garganta.

Um futuro

um pouco de alegria para o fim do ano...

-------------------

Depois, quando tudo estiver consumado, vamos rir.


Vamos rir como riem os mortais
na instantânea alegria do gozo.

Depois do choro, vamos rir.

Gargalhar a felicidade
momentaneamente eterna

da paixão delirante.

E vamos dobrar as esquinas
sem receio do terror da solidão
e invadir terrenos docemente próprios
ao cultivo do prazer de se estar vivo.

E forjar jardins de libélulas gigantes
que da sombra se iluminam à lua cheia.

Então diremos:
Um brinde quente à vida!
Um brinde alucinado à paixão!

Dores

Dores há que não suporto
Brisas há que não me nego
Cheiros há que não me entrego
Amores há que não resisto...
E cego!

Algo

Há algo em mim que se inquieta toda vez que ouço...
Há algo em mim que se esvai toda vez que sinto...
Há algo em mim que treme toda vez que vejo...
Há algo em mim que não se completa...

1.10.06

pensamento do dia...

"meu coração não quer deixar meu corpo descansar"

o dia do nascimento

Um dia cinza, chuvoso. Eleição... para mais quatro anos de ilusões. Ilusão por ilusão sou mais as minhas, porque posso um dia jogá-las fora. As ilusões coletivas não nos deixam outra alternativa além de aceitá-las... Mas quem sabe não podemos criar outras? Enfim, em meio a divagações inúteis venho aqui divulgar minhas palavras, duplas ou não... impressões, inspirações, também as expirações... poemas, contos, músicas, críticas, outras divagações, imagens de uma vida real e uma vida imaginária... angústias, alegrias, tristezas e saudades...