30.8.09

irmãos...

para nos libertarmos: um poema de pedro chiappini...

idiotas

miseráveis

humanos!

não sabem que a liberdade é irmã do amor?

amarram-na com anéis e vestidos brancos,

investem no futuro, assinam contratos, fazem casas e planos,

assassinam a liberdade tentando eternizar o amor,

mas o amor É eterno!

tolos

sedentários!

não sabem que o corpo é irmão do prazer?

afastam-no do sol, da pele, dos abismos,

abstraem ao corpo uma alma e um gênero, crentes, espartanos!

assassinam o corpo tentando encontrar o prazer,

mal sabem que ELE os encontraria!

cegos

insensíveis!

não sabem que a vida é a própria irmã gêmea da alegria?

rebaixam-na ao chamá-la felicidade,

têm com esta alguns passos de uma dança medíocre, logo e sempre perdem-na,

e por todo seu tempo inútil na terra

buscam-na em algum outro lugar, essa pequena ridícula,

“lá, onde não há dor ou sofrimento”,

“lá, no céu, no Estado ou numa outra vida”

“lá, enfim, no átomo ou no infinito”

assassinam toda vida que poderia existir,

e apenas aí, então em paz, felizes, continuam a viver

humanos

humanos

humanos

“irmãos”, se conclamam, irmãos da morte, eu os nomeio,

não sabem que a alegria é a própria vida

em seu jogo indiferente e maravilhoso

de tudo

e de nada?

23.8.09

...

o meu amor não tem garras
ele escorrega no que ama

o mundo é redondo e gira

o que existe do outro lado não existe
porque lado é algo que a vida desconhece
muito menos eu que procuro as curvas
o mundo é redondo, ousou pronunciar Galileu,
ou no mínimo sem lados,
e até hoje há muito mais quem o veja
plano e quadrado

20.8.09

divagações extemporâneas 345

trabalho no prédio que foi o primeiro hospício do Brasil. tinha que ser eu... hora de ler pra valer a história da loucura do amado careca. os fantasmas dos louquinhos continuam por lá para nos lembrar que "a anarquia é sempre uma possibilidade". uma deliciosa possibilidade! e que a repressão do corpo é a morte. loucos vem se encontrando, poderosos encontros esses. vinhos chegam para celebrarmos!

18.8.09

filosofia prática

isso vai dar pano pra manga...
teçamos um sobretudo

alegria

sou líquida
derreto...
consumo o sabor da vida
e me enlouqueço de viver

com você, com o mundo, a água e as estrelas
a alegria me enebria deliciosamente

acordo
e tudo é uma grande novidade
e psicodelia

algo renasce, nasce?
algo nasceu em mim
e não cabe mais em mim

escorre, inunda o mundo
explode tudo que mata
destrói cada palavra que fere
atinge a tudo que sufoca e apequena
aos deploráveis egoístas

a alegria é uma grande arma
lutemos!

quem com a vida e o desejo
briga incessantemente
morre...

e mata

sendo incapaz de suportar o riso
a cor, o brilho de quem vive o mundo
como um grande quintal

4.8.09

divagações extemporâneas 101

a sorte faz piada com a nossa cara
enquanto o azar é sempre uma possibilidade
morrer pode ser daqui a pouco
viver é questão de arte