13.8.10

koyaanisqatsi

em homenagem a todos os dias que passamos em engarrafamentos, nas estações lotadas de barcas, metrôs, trens, amassados dentro de todas elas, e caminhando pelos centros financeiros das grandes cidades respirando o belo ar que nossos carros poluem:


koyaanisqatsi é uma palavra da língua do povo hopis, que vivem na reserva hopi, no arizona, e quer dizer "vida em desequilíbrio", life out of balance.

como eu canto por aí: mora uma cidade em mim...
em todos nós a vida vai sendo concretada...
como viver estando vivo?

"O mundo caquinho de vidro | Tá cego do olho, tá surdo do ouvido | O mundo tá muito doente | O homem que mata, o homem que mente" [André Abujanra]

11.8.10

sobre o amor

eu amo o que amo e quem amo
e isso é o que tenho para lutar!

e tudo e todos que amo
amo porque existem e nada mais
não os quero para mim
quero que queiram o mundo

amo o mundo porque antes de mim
ele já aqui estava,
e depois que eu me for
ele permanecerá

amo amar porque isso é viver
e viver é estar em movimento
amo o movimento
e me consolo ao saber que os dias
se alternam com as noites
todos os dias

amo porque amo
e é isso que tenho para lutar!

eu, o que sou?

"sou uma sombra, venho de outras eras"

"pirata sempre rouba alguma coisa", me disse uma amiga querida

e completou: "vc é pirata que rouba corações"

não sou humilde

mas não confunda alhos com bugalhos...

observadora na grande máquina do mundo

lançadora de projéteis, os quais pretendo que alcancem longas distâncias

frágil ser que se encanta e manda o medo se jogar da prancha do navio

gente que faz...

e desfaz!

shiva nataraja?

para mim "a melhor maneira de viajar é sentir

sentir tudo de todas as maneiras"

"gosto de uivar no vento com os mastros

e de me abrir na brisa com as velas

e há momentos que são quase esquecimento

numa doçura imensa de regresso...

a minha pátria é onde o vento passa"

definitivamente amo...

você, o mar, a música, o tempo, as cores

definitivamente odeio...

mas não quero perder tempo com isso

"uma parte de mim é todo mundo

outra parte é ninguém: fundo sem fundo"

sou o que se conserva e o que morre súbito

nascida sob o signo duplo e que ascende fogo

meu mapa é carregado de muita terra...

e é por isso que um dia, com um chapéu e uma maleta

me mando para o mundo num veleiro, guiada pelas estrelas

leio, escrevo, canto, meu critério é a paixão...

embora evite me apaixonar pelo poder

bem como suscitar em mim um general

meu corpo é símbolo e sangue

tem desenhos e sua desesperadamente

meu mundo tem cores de oceano e selva,

vento de tempestade e maresia

tem cheiro de nostalgia e presente

gosto de vinho, manjericão e baunilha

tem som de pássaro, água de nascente, batuque da áfrica

tem música flamenca, lamento de fado e grito de rock´n roll

tem labrador, tartaruga que viaja e pinguim imperador

tem frio e calor, nem só um nem só outro

e tem amor... de índio, de bicho, de planta, de planeta!

é repleto das pessoas mais lindas que eu poderia conhecer!!!

e com isso me alegro e me pergunto sempre: por quê?

também assim, é um mundo solitário

como é a solidão melancólica do faroleiro...

se acho que tudo isso parece só poesia?

não, é vida.. atenta, sentida, como deve ser